• Contato
  • (34) 3312-5559
  • Seg a Sex | 8h - 11h & 13h - 17h

Notcias


Leia as notcias e novidades do SSPMU
Elisa Arajo nega reajuste para servidores em reunio com SSPMU, alegando falta de oramento e impedimento legal
19-03-2021

Presidente Martinho Pereira vai insistir em aumento e não descarta paralisação

 

Com a justificativa de não ter dotação na Lei Orçamentária Anual (LOA) e, os impedimentos legais da Lei Complementar n.º 173/20 editada ano passado  que dispõe sobre Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19) e a Emenda Constitucional 109/21, Prefeita Elisa Araújo alegou impossibilidade de conceder qualquer tipo de reajuste ou reposição salarial e aumento no tíquete alimentação aos servidores públicos municipal para 2021.

 

A informação foi repassada em reunião realizada nesta sexta-feira (19) para a segunda rodada de negociações da pauta de reivindicações de 2021.

 

A discussão contou com a participação do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Uberaba, Martinho Pereira, que deve insistir em aumento salarial. Ele acredita que é possível avançar, um pouco mais, para conceder algum ganho ou reposição financeira para os servidores. Ele pretende convocar uma assembleia-geral e não descarta uma paralisação geral da categoria. “É um ano muito difícil para todos, principalmente para os servidores, que precisam de algum reajuste ou recomposição salarial. Tudo aumentou e o poder de compra diminuiu. Não podemos aceitar calados”, afirmou.

 

A reunião ainda contou com o vice-presidente do SSPMU, Luis Sérgio Carvalho, a assessora jurídica da entidade, advogada Leide Léa Rodrigues da Cunha de Pádua. Além da prefeita, também estiveram presentes o secretário de Administração, Beethoven Oliveira, a secretária de Educação, Sidneia Zafalon e o Assessor Regional Caio Pressoto.

Durante a reunião, Beethoven Oliveira revelou que a decisão de não conceder reajuste e qualquer tipo de recomposição salarial foi respaldada em parecer da Procuradoria-Geral do Município e, ainda com a previsão dos impactos financeiros fornecidos pela Secretaria Municipal da Fazenda.

 

Segundo o secretário de Administração, a gestão anterior não assegurou recursos na LOA para a concessão de reajuste dos vencimentos, quando da sua aprovação, no ano passado, para o exercício de 2021.

 

Além disso, qualquer recomposição salarial pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) causaria um impacto financeiro da ordem de R$ 2,2 milhões por mês, que até o final do ano pode chegar a mais de R$ 22 milhões, considerando ainda os encargos.

 

Ainda de acordo com ele, o primeiro semestre há uma arrecadação maior com IPVA e IPTU e há receita, porém, no segundo semestre, existe uma queda significativa na arrecadação, que causará grande impacto nos cofres públicos.

 

Ele também reforçou que não há possibilidade de dar andamento nas progressões e promoções.  Além disso, ele apontou parecer da Procuradoria-Geral do Município aponta impedimentos da LC n.º 173, que tem validade até 31 de dezembro de 2021

 

“A previsão orçamentária nos complica e, a aplicação de qualquer índice ficará o temor do servidor em não receber o salário no final do ano”, alegou a prefeita, afirmando que recebeu de “herança um orçamento pronto”.  Porém, ela assegurou que para os próximos anos haverá um planejamento para os reajustes salariais dos servidores.

 

Ela também confirmou que vai promover a revisão no Plano de Carreira, Cargos e Salários e já estuda uma Reforma Administrativa para dar mais eficiência a máquina pública e, ao mesmo tempo, valorizar os servidores.

 

Reivindicações atendidas

 

Por outro lado, houve avanço em outros itens da pauta de reivindicações de 2021. Entre elas destacam-se:

- Antecipação do pagamento para último dia útil do mês;

- Liberação do tíquete-alimentação antes do dia 15;

- Revisão do Plano de Carreira, Cargos e Salários;

-Pagamento das férias-prêmio. Um estudo já está em análise e, um parecer será divulgado até o dia 30 de março, sendo que há um saldo de R$ 1 milhão para a indenização;

- Redução de jornada de trabalho de mães servidoras de crianças especiais.

- Prioridade de nomear servidores efetivos em cargos comissionados. Hoje, 49% dos cargos efetivos são de servidores de carreira, ao contrário da gestão passada, que era de 35% - quase 15% a mais em relação a administração anterior.

- Reativação do Ambulatório do Servidor do Centro Administrativo;

- EPIs para todos os servidores públicos. Uma licitação está em andamento e, em no máximo 90 dias estará concluída, incluindo outros suprimentos, que não são voltados para a Covid-19, inclusive para dar segurança para servidores do Horto Municipal.

- Novo espaço da Casa do Servidor, onde funciona a SEMETRA (Seção de Segurança e Medicina do Trabalho). Um novo imóvel está sendo negociado para as novas instalações;

- Criação da SESMT (Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho) e da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho);

- Lista quádrupla para ocupação da presidência do IPSERV, que será realizada por meio de portaria a ser divulgada no Porta Voz. Uma indicação será do SSPMU, Sindemu, Sindae e Associação dos Aposentados do IPSERV;

- Estudo para concessão da Licença Paternidade;

-Prioridade na vacinação contra a Covid-19 dos servidores, principalmente da Educação Municipal – que estarão à frente das forças de segurança pública, de acordo com o PNV;

- Complementação da previdência dos servidores. Uma parceria está sendo analisada neste sentido, junto a previdência estadual.

O presidente do SSPMU reconhece os itens atendidos pela administração municipal, porém, ele defende uma nova rodada de negociação para insistir em uma possível reposição salarial para a categoria. “Vamos levar o resultado da reunião para assembleia-geral, que é soberana e não descartamos a paralisação”, reforça.

 

A data da assembleia-geral será definida com a diretoria e comunicada à categoria, previamente.  

 

 

Daniela Brito

Assessoria de Imprensa do SSPMU